Colisão galáctica pode ocorrer mais cedo que o esperado

 

Em um estudo marcante, cientistas, usando o Telescópio Espacial Hubble da NASA, mapearam o imenso invólucro de gás, chamado halo, que rodeia a galáxia Andrômeda, nossa mais próxima grande vizinha. Cientistas ficaram surpresos que esse tênue, quase invisível halo de plasma difuso se estende por 1.3 milhões de anos-luz da galáxia – quase metade da nossa Via Láctea – e até 2 milhões de anos-luz em algumas direções. Isso significa que o halo de Andrômeda já está encostando no halo da nossa galáxia. (…)

A galáxia Andrômeda, também conhecida como M31, é uma espiral majestosa de cerca de até um trilhão de estrelas e comparável em tamanho à nossa Via Láctea, a uma distância de 2.5 milhões de anos-luz. (…)

Através de um programa chamado AMIGA (sigla em inglês para Mapa de Absorção de Gás Ionizado em Andrômeda), o estudo analisou a luz de 43 quasares – distantes e brilhantes núcleos de galáxia ativas alimentados por buracos negros – localizados muito distantes de Andrômeda. Os quasares estão espalhados atrás do halo, permitindo que os cientistas sondem várias regiões. Olhando através do halo para a luz dos quasares, a equipe observou como essa luz é absorvida pelo halo de Andrômeda e como essa absorção muda em regiões diferentes. (…)

O halo de Andrômeda já havia sido sondado pela equipe. Em 2015, eles descobriram  que o halo de Andrômeda é grande e massivo. Mas havia pouca evidência de sua complexidade; agora, está mapeada com mais detalhes, fazendo com que seu tamanho e massa sejam mais acuradamente determinados. (…)

 

 

Por vivermos dentro da Via Láctea, os cientistas não podem facilmente identificar a assinatura do halo da nossa própria galáxia. Porém, eles acreditam que os halos de Andrômeda e da Via Láctea sejam similares já que as galáxias são muito parecidas. As duas galáxias estão em rota de colisão, e irão se fundir para formar uma gigante galáxia elíptica daqui a 4 bilhões de anos.

Cientistas estudaram os halos gasosos de galáxias mais distantes, mas essas galáxias são muito menores no céu, ou seja, o número de quasares de fundo, brilhantes o suficiente para examinar o halo, é normalmente um por galáxia. Portanto, informação espacial importante é perdida. Por sua proximidade com a Terra, o halo gasoso de Andrômeda aparece enorme no céu, permitindo uma amostragem muito mais extensiva. (…)

Na verdade, Andrômeda é a única galáxia no Universo para o qual esse experimento pode ser feito agora, e somente com o Hubble. Apenas com um telescópio espacial futuro sensível ao ultravioleta é que os cientistas poderão rotineiramente realizar esse tipo de experimento além das aproximadamente 30 galáxias formando o Grupo Local.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *